Gerdau vai expandir a produção de minério de ferro em Ouro Preto, com geração de 2 mil empregos diretos

Gerdau investe R$ 5,8 bilhões em Minas Gerais

Com capacidade para 24 milhões de toneladas por ano em sete anos, empresa será grande produtora do insumo

texto por Marta Vieira

Depois de garantir a sua autossuficiência em minério de ferro, o grupo siderúrgico Gerdau, de Porto Alegre, maior produtor de aços longos nas Américas, vai investir R$ 5,8 bilhões em Minas Gerais para entrar na disputa do consumo de ferro no Brasil e no exterior. O pacote de recursos que serão aplicados até 2020 no estado levará o conglomerado ao time dos grandes produtores de ferro, formado pela Vale, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e que terá a presença da Mineração Usiminas nos próximos anos. A maior parcela do aporte será destinada às reservas de Miguel Burnier, distrito de Ouro Preto, e Várzea do Lopes, em Itabirito, localizadas na Região Central mineira.

Com a expansão do negócio da mineração, o grupo Gerdau vai abrir 2 mil empregos diretos e outros 9 mil temporários durante as obras. Ao formalizar os investimentos ontem, em Belo Horizonte, o presidente do conglomerado, André Gerdau Johannpeter, informou que a produção adicional ao minério de ferro que a companhia já explora em Minas para abastecer os fornos da siderúrgica Gerdau Açominas, de Ouro Branco, terá como destino tanto o mercado brasileiro quanto o exterior.

A siderúrgica sairá de um volume estimado de 11,5 milhões de toneladas de minério de ferro no ano que vem para 24 milhões de toneladas dentro de sete anos. “Quando chegarmos à produção de 24 milhões de toneladas, a empresa terá um tamanho importante, mas a nossa meta é oferecer qualidade, ter rentabilidade e atender o cliente, e não tanto o tamanho da operação”, afirmou André Gerdau. Parcela de R$ 150 milhões do orçamento anunciado será investida num centro de industrialização e distribuição de aços planos em Minas. A empresa ainda não definiu o local onde implantará o empreendimento.

Os investimentos na expansão da produção de ferro compreendem a ampliação de uma das duas atuais unidades de tratamento do minério , com conclusão prevista para o fim de 2016, e a construção de uma planta com capacidade para beneficiar 12 milhões de toneladas por ano a partir de 2020. Já em 2014, a Gerdau fará o segundo embarque de minério excedente das jazidas mineiras, com volume expressivo, segundo o presidente do grupo, que preferiu não comentar os contratos que estão sendo negociados.

A expectativa é de que a companhia produza 11,5 milhões de toneladas de minério de ferro, das quais a Gerdau Açominas consumirá até 7 milhões de toneladas. “Vai depender (a venda) do momento do mercado. Não há um cliente só. Pode ser doméstico ou no exterior”, disse André Gerdau.

Os recursos reservados para a siderurgia darão impulso à atuação recente da Gerdau no comércio de aços planos, chapas, bobinas e perfis consumidos pelos fabricantes de automóveis e eletroeletrônicos. André Gerdau destacou, na solenidade de assinatura de acordo firmado com o governador de Minas, Antonio Anastasia, que os recursos viabilizam dois dos maiores planos da história do grupo. As operações no estado detêm cerca de 40% dos investimentos da companhia no mundo.

[RodUn]